sexta-feira, março 14, 2008

190-Olhos de ver

Bolas, quantas vezes percorri distâncias atrás de distâncias, algumas em que já sabia de cor, cada marco de estrada, cada ressalto do alcatrão, cada berma saliente, cada vale, cada monte, cada curva, por tantas e tantas vezes "papar" kilómetros atrás de kilómetros sem ver e dar o valor a cada pedaço de terra por esse País fora. Recordo numa das viagens que fiz a Santander ter recomendado aos amigos a "passeata" por tais lugares contínuos ao atlântico e das maravilhas que se me deparavam aos olhos num país que não é o meu, quando por cá temos coisas tão belas.
O conceito do "vá para fora , cá dentro" parece não ter pegado muito bem, quando repetidamente nos é dado a conhecer as escolhas dos portugueses para fazer férias, optando pelos países do centro/sul americano ou pelas praias das baleares. Ora , num destes passeios mais alongados, tive o grato prazer de enveredar por esse Portugal mais desconhecido (para mim) e que pelo facto de estar um pouco distanciado do litoral onde habito, não tem sido dos mais procurados para lazer.
Um dia saí por aí com um grupo de companheiros, numa de ir dar uma "mãozinha" ao estilo do "voluntariado" e nessa deslocação já que a mesma contemplava o interior transmontano, juntamos o útil ao agradável e assim pudemos verificar "in loco" , durante umas semanas, a beleza de percursos quase desconhecidos , e com tanto para nos dar.
Desde a Serra do Marão, até Vila Real, atirando um pouco para o Nordeste transmontano, Bragança e arredores, onde abunda uma grande diversidade no que respeita ao clima e onde a paisagem se encontra bem delineada , nos pontos de maior interesse (todos importantes) que se nos oferecem de uma forma tão bem representada pelos vinhedos escarpados numa imponência desse rio a que chamamos Douro , a serenidade que nos é transmitida no percurso que engloba Miranda e zonas limítrofes , onde quase clamam por nós as pedras de rocha nua.
E o parque natural de Montesinho , não esquecendo o espectáculo deslumbrante das amendoeiras já em flor. Não pode deixar de ser referenciada toda a riqueza , num ambiente onde é notória haver uma menor intervenção do homem, que tanta vez leva à destruição do que por si só é tão belo.
É assim, geralmente quem conduz, não tem oportunidade de apreciar como quem vai sentado ao nosso lado, tal pendura que mais não fáz do que dar largas á imaginação perante cenário tão deslumbrante, mas é tudo tão bonito...
Pois, mas desta vez tive oportunidade de ir comodamente instalado no banco de trás, qual poltrona em sala de estar, admirando cada pedaço, onde as cores eram mais majestosas do que em ecran de uma qualquer mais recente tv, em que predomina o grito de última geração.
Tanta coisa linda por este nosso cantinho e por vezes tão ingenuamente ignorado. Acreditem que o gesto a que nos propusemos como grupo de ajuda, saiu muito mais favorecido por termos aproveitado o deslumbramento deste pedacinho de terra à beira mar plantado., e sabem o que vos digo ? só não vê quem não quer ver...
Com o desejo que todos estejam bem e ... bons passeios

3 comentários:

  1. é verdade GW , raramente se dá valor ao que nos rodeia e tanto dinheiro esbanjado além-fronteiras,
    um abraço e desejo ke tudo esteja "fine"

    ResponderEliminar
  2. grrrrrrr ola lindo amigo sempre que passo por aqui um fundo difrente :))mas lindo claro.
    BEM como ando mun grupo ja fiz algumas viagens sim por este Portugal ja fui a Bragança,O centro de Bragança é lindissimo,e este ano vamos a NAZARÉ :)
    ja esta confirmado, agora claro que o nosso Portugal é lindo :)
    bijos para todos ai

    ResponderEliminar