quinta-feira, agosto 14, 2008

209-A ilusão de quem nos ilude...

Alguém através dos tempos numa tradição já milenar , nos tem passado a palavra de que os primeiros Jogos Olímpicos (jogos disputados inicialmente por atletas amadores e mais tarde abertos a profissionais) terão sido realizados na Grécia Antiga no ano 776 a.C. Jogos estes de tão elevada importância, englobando povos de todas as nações. Mais tarde interrompidos no ano 393 da era actual, terão sido retomados em 1896, eplo Barão de Coubertin, sómente interrompidos pelo decorrer da primeira e da segunda guerra mundial.
Mas não vos falar mais sobre o que são e a origem destes Jogos porque isso é demais conhecido de todos, quero antes falar da "grandeza" que sempre é colocada pelo país organizador, procurando dar uma imagem ilusória aos olhos do mundo, quando tanta vez acabamos por ser confrontados com uma mágoa ao nos darmos conta do que é feito por detrás dessa grandiosidade demonstrada.
Fiquei perplexo ao ler esta 4ª feira que a organização dos jogos terá rejeitado a presença em palco da criança com a melhor vóz escolhida entre dezenas de milhar, numa acção descomunal na procura para chegar à "vóz" ideal para cantar os hinos de abertura. Ora a razão deste afastamento, e pasme-se quem me lê , foi nem mais nem menos do que o ser "feia" , quando feia neste caso é ter falta de dentes, próprio de uma criança. Isto mesmo, a organização decide passar a vóz escolhida, colocando a fazer playback, a presença de uma outra criança, que de vóz , estaria a séculos da ideal, mas apresentando esta uma figura esbelta... Chinezices, ou antes poderio e escolha de quem pensa ter tudo nas mãos e optar por uma ilusão perante milhões de espectadores por esse Mundo fora.
Mas não ficamos por aqui, quanto a mim , acho deslumbrante que aconteça em casos destes, uma apresentação sincera, humana, numa sincronia de movimento e luz quando apresentada directamente e por via de um entrosamento entre todos aqueles que compôem um espectáculo, coisa que aqui se misturou muito com a tecnologia ao alcance deste país. É verdade que o efeito de luzes , se torna esplêndido quando conjugado com o movimento e a forma humana, mas também é verdade que esta abertura dos Jogos, foi quanto a mim uma "ilusão" demasiadamente exagerada em algumas situações e em particular quanto à elevação projectada do Símbolo dos Jogos. Gostei sim, não vou dizer que não, até que o espectáculo conseguido por aquele mais de um milhar de jovens simultaneamente criando um movimento que me fazia rejubilar e pregar os olhos à poltrona, me deixando extasiado pelo que admirava, e porque assim testemunho o quanto gostei de algumas passagens, também esse facto de permitiraá concerteza dizer que não gostei de outras tantas coisas que como escrevi atrás, esperava não terem essa tal "demasiada ilusão de óptica" à mistura...
E pronto, vou ficar por aqui, se Você me está a ler, é sinal de que a mensagem foi "postada" na data "agendada", 14 de agosto , dia em que eu já andarei algures por aí em busca deste Portugal ainda por descobrir e que eu apesar de tudo adoro...
Um abraço com amizade, GW

3 comentários: