quarta-feira, agosto 27, 2008

211 - Porquê a palavra adicto , ou adito...

Decorrerá no fim de semana de 18/19 Outubro próximo a Convenção Anual das Famílias Anonimas, encontro que já tive o prazer de ver organizado pelo Grupo onde desde inicio de 2002 me insiro. Esta Convenção está marcada para Fátima , se não estou em erro terá lugar no retiro Nª Srª das Dores e carece de inscrição prévia.
Para mim, tal como para muitos, quando me desloquei pela 1ª vez a uma reunião das Famílias Anónimas, logo se fez notar a minha curiosidade para a origem da palavra adicto e o que ela significa. Aliado ao facto de ali estar perante pessoas que desconhecia, a expectativa era notória, pois, pensava eu estar perante algo ou alguém que fácilmente me daria o tão desejado "remédio" para uma "cura" que desejava eu , ser mais que urgente.
Porquê a palavra ADICTO?
Escutei então, li e reli sobre o assunto e, tudo o que nos pode levar a uma aproximação para definir adicção se tem tornado numa busca constante para se chegar áquilo que pode ser uma, ou a melhor definição. Todas as pessoas em geral, e agora eu em particular me encontro perante um dilema ao qual tenho procurado o melhor significado de modo a que me encontre o melhor esclarecido possível...
Existem aqui e ali, variadas definições, tantas como cada grupo em si , tantas como cada um de nós lhe dá a melhor interpretação e conforme cada caso, no entanto todos nos aproximamos de pontos comuns; - Toda a questão, começa logo à forma como denominar esta doença, pois é de facto perante uma doença que nós estamos. dependência química ou adicção, dependentes químicos ou adictos. De facto não importa os termos designativos, a verdade é que essas definições passam por uma encruzilhada de circunstâncias em que são notados vários factores que assentam numa dependência fisica, psicológica, ambiente em família os quais originam quase sempre, problemas comportamentais e de moralidade.
Poderíamos cada qual á sua maneira , ficar aqui a apresentar 1001 palavras para mostrar a nós próprios o significado e a consequente origem, mas, cada caso é uma caso e, cada um saberá de modo correcto e com a frequência de FA's atribuir factores perante a vivência de cada um e da forma de cada caso.
Claro, que se aos factores já apresentados acrescentarmos os que nós próprios encontramos, a lista sera de muitas opções, e qualquer um de nós, abarcar a sua própria definição. Ainda assim, mesmo para mim. definir adicção foi e é, sem dúvida uma das vitórias que levo das aprendizagens que todos me transmitem através das partilhas e assim um dos melhores contributos que tenho tido para o processo de recuperação, da minha recuperação... Razão para começar a sentir-me bem ? Sem dúvida alguma, o colocar em prática o Primeiro Passo e admitir uma impotência mais que notória perante a adicção e tudo a que a envolve. Com o admitir, sei que comecei a construir os alicerces daquela que será a minha nova forma de vida, construção essa que um dia levará à minha minha recuperação. tal como uma casa, assim também eu alicercei bases para eu ser o que sou.
Mas, "O que é Adicção?" algures li, o que a seguir Vos deixo e que passo a citar e identificada com a situação que mais nos deixa preocupados:
A situação se complica quando o adicto, se torna dependente químico. Aí ele se torna num portador de uma doença chamada dependência química, progressiva, incurável e muitas vezes fatal, conhecida agora por nós, frequentadores de FA´stambém como adicção: Apresenta obsessão para usar a primeira dose e, quando o faz, passa a sofrer de compulsão (não consegue mais parar). Deixa a droga influir em sua vida, coleciona fracassos, tem depressão, tenta o suicídio, envolve-se em crimes e falcatruas. É com ele que nos preocupamos. É perante esta situação que nos sentimos impotentes e que nada conseguimos fazer se não tivermos forças para o admitir e consequentemente aceitarmos que estamos perante uma doença sem cura...
Um abraço com Amizade

7 comentários:

  1. Olá
    Me diz uma coisa, você é dependente?
    Só por curiosidade. Ou já foi!!!

    ResponderEliminar
  2. Caro (?) jj

    Não sou dependente nem fui, mas sou pai de um jovem em recuperação, em que hoje desenvolve já uma vida "dita" normal.
    Para tal contribuiu e muito o conhecimento das FAs e toda a colaboração que tenho dado quer como "assíduo2 das reuniões, quer como desenvolvendo um trabalho de voluntariado junto de quem de perto vive também esse problema.
    Hoje , e só por hoje, posso (podemos) dizer que a vida voltou a sorrir...
    Mas , porque colocou essa questão tão pertinente e oportuna ?

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso seu espaço. Amei e voltarei outras vezes.

    Desejo uma linda semaninha e muita paz.

    Smack!

    Edimar Suely
    jesusminharocha.blig.ig.com.br

    ResponderEliminar
  4. Olá, antes de tudo desejo um bom 2011 para você e familia. Penso na carência de centros de tratamento para aqueles que por intermedio de uma boa intervenção desejem se reabilitar. Criei recentemente um blog e lá estopu postando alguns pensamentos sobre a questão e outras que abordem o tema da Depencia Química. Agradeceria muito sua contribuição.Postando suas experiências a assim unir forças para travar-mos o "Bom Combate". Fica na paz meu amigo.

    ResponderEliminar
  5. Quando um adicto se torna dependente quimico?!!!!!Mas exatamente o que é um adicto?

    ResponderEliminar
  6. Oi.......gostei da percepção e o angulo que você olha este assunto tão complexo. Diria ou somaria ao assunto que não podemos dizer com tanta enfase que não tem cura.Acredito que a medicina com toda a evolução que vem tendo encontrará soluções.....isto não quer dizer que devemos cruzar os braços e esperar...vamos trabalhando com os recursos que temos, e que são muitos. Parabéns

    ResponderEliminar