terça-feira, fevereiro 07, 2006

65 - Crianças hiperactivas... ( parte II )

Retomando hoje o assunto em questão, vou procurar, sem querer copiar, analizar algumas passagens de textos que minuciosamente encontrei na Net.
Quais os problemas que podem estar associados à hiperatividade, e que tornem uma criança hiperactiva? Conforme está escrito algures : - " Uma das dificuldades no diagnóstico da hiperatividade é que esta se faz acompanhar, freqüentemente, de outros problemas. A hiperatividade não é em si um problema específico de aprendizagem. Mas, por interferir com a concentração e a atenção, pode dificultar a aprendizagem." .../...
Crianças hiperactivas (parte II )
A situação torna-se mais complicada quando as crianças com hiperactividade têm, simultaneamente, um problema específico de aprendizagem (os mais freqüentes são dificuldades na leitura e na matemática). Um número significativo de crianças que sofrem deste distúrbio psicológico apresentam uma tendência para se comportar de forma agressiva ou desafiadora. Estas crianças podem ser teimosas, agressivas e provocadoras e assim, manifestar grandes alterações de temperamento. Estas crianças precisam mesmo de uma ajuda especializada, de modo a evitar a evolução para o insucesso escolar e outros problemas de conduta mais sérios. Uma pequena parte das pessoas que sofrem de hiperactividade tem, simultaneamente, outros problemas, tais como perturbações nervosas (tiques que não conseguem controlar) e emocionais (ansiedade ou depressão). Que outros problemas podem levar à suspeição errada de hiperactividade? A hiperactividade é um problema sério que requer um tratamento específico de longo prazo, pelo que especialista deve, antes de tudo, assegurar-se de que este tipo de comportamentos não é originado por outras perturbações. Vejamos outros problemas diferentes que podem estar na origem de sinais e sintomas semelhantes:- comportamento impulsivo devido a uma educação negligenciada ou demasiado permissiva;- insucesso escolar devido a dificuldades específicas de aprendizagem - comportamento agitado ou desinteressado devido a ansiedade ou depressão;- episódios de falta de atenção devido a uma forma de epilepsia, denominada pequeno mal epiléptico;- otites de repetição ou crônicas (infecção no ouvido), que podem estar na origem de problemas auditivos, levando a que a criança se mostre desatenta;- falta de atenção devido a problemas de visão;- hiperactividade devido a problemas do metabolismo, como, por exemplo, disfunções da tiróide;- outros problemas mentais, genéticos ou ambientais. Que impacto pode ter a hiperactividade? As crianças com hiperactividade não só sofrem com os sintomas típicos da sua perturbação como também com as consequências negativas dos seus comportamentos. -Para a Criança: Talvez o maior impacto da hiperactividade nas crianças que sofrem deste distúrbio seja o facto de serem, frequentemente, rejeitadas pelos seus colegas. As dificuldades escolares e de relacionamento social podem ter consequências a longo prazo. Alguns estudos mostram que o número de acidentes é mais elevado neste grupo de crianças, e, quando há uma combinação com outros distúrbios comportamentais, as crianças hiperactivas têm um risco mais elevado de, mais tarde, virem a adoptar comportamentos anti-sociais . Á medida que a criança cresce, vai desenvolvendo estratégias de autocontrole que lhe permitem uma melhor adaptação e um melhor relacionamento com o seu ambiente. Mas, em muitos casos, o impacto desta perturbação prolonga-se na idade adulta. Para a família:- Os pais de crianças hiperactivas sentem-se, muitas vezes, impotentes, desanimados, sem saber o que fazer. Os métodos de disciplina normalmente empregues, tais como a argumentação, os castigos ou a repreensão não funcionam com estas crianças. Frustrados, por vezes, recorrem a métodos mais desesperados, como bater ou gritar, mesmo sabendo que tais comportamentos são pouco adequados e não resolvem nada. Resultado:- acabam por manifestar um sentimento de culpa que em nada contribui para o bem estar da criança. Uma vez diagnosticado o problema e a criança submetida a um tratamento, os constrangimentos emocionais no seio da família podem, em parte, acalmar-se. As famílias que lidam com crianças que sofrem de hiperactividade, tal como acontece com as famílias que cuidam de crianças com doenças crónicas (por exemplo, paralisia cerebral ou autismo) manifestam, frequentemente, maiores níveis de frustração e problemas conjugais. Além de que as despesas com os tratamentos destas crianças podem representar um fardo pesado para muitas famílias. Para a sociedade: - A um nível social mais alargado, estes indivíduos necessitam de uma atenção especial, com custos que se repartem pelas estruturas de saúde, da justiça, da educação e da solidariedade social. Além disso, esta perturbação, quando associada a outros comportamentos problemáticos, pode contribuir, numa idade mais avançada, para manifestações de violência e criminalidade, dada a impulsividade que lhes é característica."
Bem, não pedi autorização, mas espero que a fonte não fique melindrada em passar parte dos textos elucidativos aqui no Blog
(Fonte: Revista Teste Saúde-In Net)
_______________
Boa semana / GW

1 comentário: