sábado, janeiro 19, 2008

182-Realidade...

Estes últimos tempos, não sei ainda bem a razão, (talvez por ser uma fase negativa, quase sempre é assim), tenho olhado um tanto para trás e feito um inventário do que têm sido estes meus anos de vivência, a memória me traz pontos deveras importantes para não me escapar a uma reflexão profunda.
Noto que de certo modo vivi o suficiente para distinguir fases distintas, quer no meu comportamento, quer no comportamento das pessoas. Se olhar bem ao meu redor e a tudo o que vivi até hoje, sou transportado até à infância, quando me foi dado a aprender através dos meus pais, através dos meus irmãos, através dos meus professores que era preciso "ser" e saber-se "ser". Como já alguém escreveu : - O "ser honesto, ser educado, ser digno, ser respeitoso, ser amigo, ser leal". Subi cada degrau da minha infãncia apoiado nesses termos.
Uns tempos mais tarde, acabei por ser inserido numa outra realidade, ou seja, testemunhar o momento do "ter" . :- Tornava-se urgente e necessário "ter". Ter boa cara, ter boa figura, ter presença, ter dinheiro, ter status, ter coisas, ter e cada vez mais ter...
Revi-me nesta análise pessoal, porque o que lemos dá-nos muitos ensinamentos e de certo modo, se assim não fosse, talvez até nem estas palavras saíssem assim escritas, mas , se tudo isso surge assim , quase "do vazio" é porque é a nossa passagem por cá, que tem fases distintas e elas nos fazem o momento, a atitude, o exacto sobre aquilo que somos e queremos...
Hoje, eu estou mais numa fase do faz-de-conta, e também eu, como tantos outros, chegarei a alguma conclusão que a professora ou quem nos transmite esses ensinamentos tem razão.
É fácil olhar para as pessoas e fazer de conta que está tudo bem. Não são minhas estas palavras , mas a verdade é que bem se adaptam a esste momento. - "os Pais fazem de conta que educam, os professores fazem de conta que ensinam, os alunos fazem de conta que aprendem. Os que trabalham fazem de conta que são competentes, os que governam fazem de conta que se preocupam com o povo e o povo faz de conta que acredita. Há pessoas que fazem de conta que são honestas... Há até quem esteja são e queira fazer de conta que está doente, mas, repare que também há os que estão doentes e fazem de conta que têm saúde, porque não querem ver o outro triste... e nós , e os outros, fazemos de conta que os outros nada sabem disto tudo e que assim vamos vivendo no faz de conta...
Mas pare, pare e olhe-se no espelho e o que vê ? não nota reflectida a sua consciência ? Não estaremos assim a causar prejuízos não só a nós , mas a quem nos rodeia ?... Não nos vamos querer confundir a nós próprios, caíndo quase sempre num vazio, chegando ao ponto de nem saber o que somos e o que fazemos... Torna-se essa atitude , demasiadamente cansativa e desgastante.
Sejam autênticos, não represente,m sejam apenas aquilo que são... pessoas especiais , descomplicadas , de atitudes simples, mas coerentes e, acima de tudo, fiéis consigo mesmas.
do GW , para todos com um abraço amigo...

4 comentários:

  1. Meu amigo em primeiro espero que esteja tudo bem contigo,depois vou dar os parabens ao filho:))
    Agora em relação ao poste nos seres humamos somos assim se perguntam como estamos,ou temos muita confiança com a pessoa ou dizemos que esta tudo bem,e porque não queremos chatear minguem.
    Ser nos proprios hum isso seria um mundo melhor não,mas fazendo de conta que esta sempre tudo bem por vezes fugimos dos nossos problemas.
    muitos vão a luta mas é preciso muita coragem e perseverança para ir em frente.Esperando mais uma vez que esteja bem boa semana:)*

    ResponderEliminar
  2. A.Thierry2:18 da tarde

    já algumas vezes pensei nisso e as circunstâncias também ajudam a que por vezes não sejamos tão verdadeiros assim, mas seria bom , isso é verdade, que houvesse menos representação, fáz-se demasidao teatro em situações demasiadas sérias.
    Cumprimentos [[ ]]

    ResponderEliminar
  3. Ser-se completamente sincero e verdadeiro...Largar o mundo do faz de conta, ser-mos nós proprios. É extremamente dificil.
    Deparamo-nos com tamanha irrealidade à nossa volta, que não nos resta senão deixar andar o barco...
    É como tentar remar contra uma maré, forte tempestuosa, acabam as nossas forças cair por terra, não é possivel por muito que tentemos viver desintegrados da sociedade.
    A minha filosofia, é viver um dia de cada vez, e como se o de hoje fosse realmente o ultimo.
    Fazer o meu melhor, educar os meus filhos, com valores que para muitos são caretas, e olha tento...
    Um grande beijinho (será k ainda te lembras de mim? naaaaaaaaa)

    ResponderEliminar