sábado, outubro 04, 2008

216-momentos... (III)

Pode parecer estranho, mas não julgue que estas coisas só acontecem nos adultos. Não julgue que por muito que possamos pensar que os tempos vividos enquanto crianças e adolescentes são os melhores em nossas vidas, a verdade porém é que nem sempre isso é realidade.
Tal como nós adultos, também as crianças sofrem de depressão. Para os entendidos fazer um diagnóstico, e pelo que que consegui ler sobre o tema, é deveras difícil, muito difícil mesmo diagnosticar a depressão ou sintomas que levem a esta, pois acontece que nem as próprias crianças sabem explicar o que sentem, e dificilmente perceberão que existe algo errado. Como podemos nós chegar a tal conclusão ? Assim e perante tal dilema é de bom tom estarmos atentos a alguns sintomas que possam surgir e que nos levem a entender estarmos perante uma criança em depressão e tais sintomas podem ser-nos dados a conhecer através de:
Choro frequente, traduzido numa tristeza continuada, Não ter interesse nas actividades normalmente desempenhadas, Sentir-se fraco e/ou apresentar um sentimento de culpa em relação a algo, Irritabilidade, Tornar-se hostil...
Muitas das situações surgem sob a capa de raiva, uma dificuldade extrema em se relacionar. Outras vezes são até transmitidas através de queixas constantes de dores físicas, como uma dor de cabeça ou outras de dificuldade em serem comprovadas por nós. Devemos também estar atentos às dificuldades de concentração, mudanças de hábitos alimentares entre outros, quebra no rendimento escolar, etc.
Em conversas tidas, ou em fazer notar ideias ou tentativas de fugir de casa, ou mesmo suicídio, um comportamento auto-destrutivo que possa ser notado ou que ronde temas parecidos é um mau presságio.
Não descure casos isolados de tédio, choro ou irritação, que por exemplo, parecendo normais, podem mais adiante ser factor determinante para o "fabrico" de uma depressão. Numa leitura que fiz sobre o assunto leva-me a deixar aqui um alerta e que passo a citar :
" A decisão de tratar ou não uma criança doente com anti-depressivos é muito pessoal. Por isso, a melhor arma ainda é a informação: -Pais de crianças com depressão devem procurar saber o máximo possível a respeito da doença e, assim, tomar a melhor decisão para a criança."
Não entenda as palavras aqui deixadas por mim como "um sabe-tudo", antes demais o meu desejo é que haja uma preocupação por tudo o que nos rodeia, por tudo o que nos envolve. Cada um de nós lidará com a situação à sua maneira. por muito que eu deseje, por muito que eu queira, não posso ajudar mais do que transmitir as palavras que aqui deixo, assim, nunca deixe de contactar, para qualquer informação,. diagnósticos e tratamentos, um profissional de saúde sobre este tema.
Boa semana / GW

1 comentário: