sexta-feira, agosto 25, 2006

105-Desemprego versus imigração

Falar-se da Imigração , num Pais como Portugal, em que as adversidades e carências a nível de emprego são uma constante, poder-se-á tornar num caso controverso demasiadamente pesado para nós, se tivermos em conta toda a situação vivida por milhares de cidadãos á espera de uma “luz ao fundo do túnel” que dê alento à sua Vida.
Trocava um destes dias umas palavras com um amigo de chat , sobre esta situação, e decerto modo na opinião divergente entre cada um, não só em nós os dois, mas sobre muitas das pessoas sobre este problema que é a falta de emprego.
----------------------------------------------------------------------------------------
A certo ponto essa pessoa se admirou quando eu disse, existirem bacharéis em engª a trabalhar em empresa de limpeza como lavadores, ou chefes de equipa, não auferindo mais de 600 euros, até que uma melhor oportunidade lhes sorria. Dizia-me essa pessoa que ainda se vai conseguindo colocação e que não será tanto assim, confesso, que me surpreende, apesar de ter a noção da existência de várias condicionantes que o não deviam ser, para a aceitação de um emprego. O que sei, e por muito que se possa discordar, é melhor esses 600€uros e continuar a lutar-se por um emprego melhor, do que estar parado à procura da “sorte grande”, quando afinal até a “terminação” já nos deixa um pouco aliviados
É verdade que há falta de empregos, mas não é menos verdade que muitos renegam a ideia de ser fora da localidade onde residem, ser longe da família, não ser a empresa tão idónea quanto esperam, ou pior, estarem muitas vezes sujeitos a um compromisso de objectivos para o qual julgam não estar preparados. Reconheço que há escolhas antecipadas sobre o que se quer ser, mas será que o tempo em que vivemos permite essas escolhas ? Cada vez existem mais licenciados e consequentemente mais são os desempregados a este nível de qualificação académica, a verdade porém é que não podem ser todos colocados a níveis superiormente hierárquicos, quando na verdade o país precisa de serventes, serralheiros, pedreiros, canalizadores, auxiliares, padeiros, oficiais de milhentas profissões. Se os nossos filhos seguirem todos o ensino superior que categoria profissional lhe vamos atribuir? Onde estão os Cursos técnicos de antigamente que tão bem eram recebidos perante o mundo do trabalho ?
Pois é, depois acontece que a imigração se apodera desses factores, nós por cá optamos por levar as nossas escolhas muito seleccionadas, por sua vez os responsáveis empresariais têm na imigração forma de conseguir custos menores por uma mão de obra em tantos casos nada inferior em termos de qualidade, o que aliado à tal rejeição deste ou daquele trabalho leva a que se entre num sistema que nada favorece o mercado do trabalho / emprego.
Pessoalmente não sou contra à imigração, quando esta é gerida de forma legal, nós portugueses, também há muitos anos saímos do país e continuamos a sair em busca de melhores condições de vida. Não me parece que quem vier por bem, venha interferir sobre o nosso modo de vida , que se é precário , em muito se deve a culpas internas e pouco, penso eu, a factores derivados de uma imigração legal. Quanto aos outros, os considerados ilegais, esses sim, há que saber entender esse fenómeno, que não só a nós prejudica mas a todos os países onde em maior ou menor escala a mesma co-habita.

Bem, não me vou alongar mais, sobre este tema já por si delicado, deixo-Vos um abraço e até para a semana , boa semana a TODOS
___
GW

4 comentários:

  1. GW...
    Eu estou no teu país com a condição de imigrante...vivo aqui desde outubro de 2005,o fato é q eu poderia estar no meu país vivendo tranquilamente com minhas duas filhas de 8 e 9 anos e meu marido...mas por falta de segurança e por buscar uma qualidade de vida melhor estou aqui tento me manter dentro da legalidade.Pois sogri uma violência mt grande no meu país(Brasil)estava eu e minhas filhas em casa e um assaltante entrou e de posse de uma arma me pegou como refém na frente das minhas filhotas e isto nos chocou mt a ponto de não conseguirmos mais viver lá...naquele momento as nossas vidas foram invadidas e corriamos riscos do marginal voltar e fazer o pior conosco,pois ele ali estava disposto a morrer ou viver...hoje eu estou aqui vivendo com minha familia e espero q a minha condição de imigrante seja regularmentada para eu poder viver com mais tranquilidade...
    Beijos,
    Khriska

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. É verdade Amiga Lhriska, eu nada tenho contra, antes pelo contrário, desde que numa parametrização definida e em cumprimentos assumidos por parte de quem vem, as oportunidades devem ser dadas, sejam imigrantes ou naturais, por isso minha amiga... Sê bem vinda

    GW

    ResponderEliminar