terça-feira, janeiro 02, 2007

128-Diz-me espelho meu...

Anorexia
Muito se tem falado estas últimas semanas sobre o problema da Anorexia. Não entendo lá muito bem porque é que tem que chegar até nós notícias tristes , através de casos que envolvem até a morte para que seja despertado em nós a existência de problemas deste teor . A verdade é que queiramos ou não, essas situações estão perante os nossos olhos , no decorrer do dia-a-dia , por culpa de padrões exigidos sobretudo no mundo da moda. Se há quem julgue ser essencial que um corpo mantenha certas medidas e formas para ter sucesso na “passerelle” eu por mim , muito sinceramente não acho piada nenhuma, nem nada atractivo,quando um corpo , em especial feminino, apresenta saliência mais que visível ao nível das costelas por exemplo, ou quando até olhamos uma mulher pela parte das costas e se conhece a coluna vertebral. Desculpem a minha ignorância a esse nível, mas é tão bom olhar para um corpo que não sendo exageradamente magro ou deliberadamente gordo , tem , como se costuma dizer , tudo no sítio certo. Depois há outra situação que também não consigo encaixar nesta caixa dos pirolitos que é o seguinte: - Quem é que compra aqueles formatos de roupa , alguns tão impróprios , que quando apresentados vestem aqueles corpos quase raquíticos.
A Obsessão tem destas coisas , uma preocupação desmesurada com o corpo que leva tantas pessoas sobretudo jovens a perturbações de índole alimentar . Esta situação em pouco ou nada difere da de um adito à toxicodependência , ou ao alcoól , em que se envereda por um caminho que muito dificilmente se sairá sem causar mazelas graves.
É no sexo feminino que mais se acentua a anorexia, mas também ela hoje é verificada em alguns homens. É normal quem não vive de perto estes casos justificar as situações com um mau encaminhamento familiar, falta de apoio e abertura ao diálogo aliado a um desconhecimento de causa/efeito. Já algumas vezes aqui referi a minha participação através de voluntariado em acções que envolvem a adição e os problemas consequentes e digo que tenho pessoas amigas que passaram por este tipo de problemas em que a sua cultura e a sua vivência sócio/profissional serviram de alerta constante para os problemas , com uma abertura de diálogo e ensinamentos entre pais e filhos excepcional e que mesmo assim não foram impeditivos que o adito seguisse o caminho que o levou à anorexia, mesmo havendo uma prevenção e preocupação constante no seio familiar.
Quando se olha para o espelho e algo leva a pessoa a sentir-se demasiadamente gordo, sem o ser, onde não há uma causa aparente para tal, está-se já perante uma situação de distúrbio alimentar. Torna-se severamente difícil reconhecer que se está doente, só porque apenas se sentem gordos sem o ser, levando a quem assim age ter tendência a fechar-se, num isolamento tal que nem sequer falam sobre o problema que os aflige. As pessoas apresentam-se cada vez mais dependentes de um conceito de moda que quanto a mim tende a desvirtuar o que realmente é belo, a beleza não deixa de ser próprio da juventude, mas há que saber salvaguardar factores que não tornem a causa num problema obsessivo. Muitas vezes e segundo opiniões diversas de quem vive ou viveu o problema é não se encontrar uma causa, um ponto de partida, não havendo uma condição no meio familiar que levasse a tal, antes pelo contrário, ter tido sempre um ambiente impecável com a família e/ou os amigos
A verdade é que muitas vezes a situação é levada a extremos , onde se perde o controle sobre o que é o peso ideal só porque esta ou aquela é capa de revista e é tomada como um exemplo em que pondera a inveja por não se possuir um corpo idêntico, só porque não se está contente com o que se tem.mSegundo algumas fontes há vários Factores de alerta!
Na Anorexia Nervosa há sempre indícios que podemos associar:
-Perda significativa de peso sem existir uma recomendação ou causa médica aparente.
- A redução da quantidade de alimentos ingeridos.
-O desenvolvimento de comportamentos quase em forma de ritual à refeição, como, por exemplo, cortar a comida em bocadinhos muito pequenos e mastigar cada bocado em grande número de vezes.
-Não assumir a fome, ou dizer constantemente, não tenho fome, não me apetece.
-Tornar-se progressivamente mais crítico e menos tolerante com os outros.
-Prática excessiva de exercício físico.
-Achar-se sempre muito gordo mesmo quando isso está longe de ser verdade.
-Ser reservado, muito fechado, não falar sobre os seus sentimentos.
Por todas estas razões e mais algumas , não deixe de estar atento(a).

Um abraço para todos / GW

3 comentários: