sexta-feira, dezembro 21, 2007

178-Hoje e sempre ... Natal

de GW;
Torna-se descabido aproveitar a época do Natal para desejar Felicidade, estar mais próximo de alguém, até mesmo presentear aqueles dos quais andamos afastados o resto do ano. Porquê ? Será que não podemos fazer de todos os dias Natal ? Estarmos mais perto do nosso semelhante, dos enfermos, dos pobres, dos que estão na solidão, daqueles que nem sequer têm um tecto para dormir ou um prato de sopa para comer... Ai, quanta solidão vai por esse Mundo fora, e eu, apesar de tudo aqui no aconchego do lar, tanta vez me esquecendo que existe Vida para além de mim.

PEDIDO DE NATAL , de Ana Peluso
Sabe, Pai Natal, este natal, eu queria - de verdade - que as pessoas pensassem mais nelas mesmas do que em mim. Que fossem até suas casas e se abraçassem e depois aos seus, sem medo de disfarce, cara feia por trás das costas, diz-que-disse no canto da sala; e que não se presenteassem tanto com coisas que não podem carregar para sempre (e que não fazem delas pessoas mais felizes).
E que se fizessem orações, que fosse para - antes de tudo - se perdoarem; e que não me olhassem apenas porque sou uma criança e é meu aniversário, mas por terem vindo até mim, depois de se aceitarem como são; e que usassem do instrumento mais poderoso que existe, que é a compreensão - caso não conseguissem.
Depois queria que brindassem com o néctar do espírito, que é o amor, olhando-se nos olhos e sendo verdadeiras. Após a ceia, elas poderiam cantar e dançar em louvor ao meu Pai, de mãos dadas, e só se separariam quando voltassem aos seus templos que é dentro delas mesmas, e é a verdadeira morada onde Ele habita.
E seria lá, que mais tarde, passado mais um ano de vida, eu buscaria meus presentes: corações puros, porém fortes, porque o amor fortalece e a verdade purifica. Almas em paz pela certeza de que nenhum olhar foi esquivo ou superposto. Espíritos ressonando alegria pela descoberta da certeza de que a vida se eleva, nunca cai.
E semblantes tranquilos de quem já descobriu a verdade. Ela é nela que EU SOU.
Ass: Menino Jesus
NATAL OUTRA VEZ de Bárbara Helena
Sei que é Natal porque sinto o cheiro das castanhas assadas na varanda da memória. Passam carros ao longe, carruagens, carroças, foguetes.Posso ouvir o sussurro das folhas do pinheiro. E as pessoas que cantam, o som agudo das flautas infantis.
De longe vem o cheiro de canela das rabanadas, do vinho, da champanhe estourando em torno de mim.Sim. É Natal outra vez.
Então, eu atravesso a sala com meu vestido de lua, pego sua mão que me enlaça e me estreita, beijo sua boca de mistérios.Dançamos o Natal, as festas, o Ano Novo. Dançamos a esperança. Somos todos os reis, os bispos, as rainhas.
Somos todos peões da nossa fantasia...É Natal outra vez, ... ainda.

3 comentários:

  1. Engraçado como já tendo passado pelo Blog, ainda não me tinha dado ao trabalho de ler por completo alguns textos.
    Hoje, desde que cheguei (estou só , e não me apetece trabalhar) resolvi colocar a leitura em dia e certinha, pois estava a saber-me bem, ler-te GW.
    Entretanto reparei que acabaste de colocar este "post" e as tuas palavras iniciais que passo a citar:-"Ai, quanta solidão vai por esse Mundo fora, e eu, apesar de tudo aqui no aconchego do lar, tanta vez me esquecendo que existe Vida para além de mim." me fez trazer à ideia o quanto também eu me isolo dos outros, me esquecendo dos que sofrem por esse Mundo fora.
    Um Beijo e o desejo de um Feliz Natal meu AMIGO.

    AnaClaudia

    ResponderEliminar
  2. venho te desejar um santo e feliz natal, repleto de muita saúde , paz e amor.
    Beijo meu.

    ResponderEliminar