quarta-feira, novembro 09, 2005

25 - Descriminação? será?

Por enquanto, e embora a crise que atravessamos se encontre generalizada, o dia-a-dia ainda vai passando sem grandes sobressaltos, sem mazelas de maior, podendo mesmo dizer-se que, apesar de não muito bem, se vai conseguindo sobreviver, bastando para isso muitas das vezes, o não sermos abandonados por esta vontade que nos faz levantar, a cada vez que caímos, a cada vez que algo nos é desfavorável…

Discriminação? Desagrado?
Passam duas semanas sobre o início das manifestações que tão abruptamente surgiram em algumas cidades dos arredores de Paris. A preocupação que antes quase não nos dizia “respeito” aos poucos está a alastrar a outros horizontes. Que a intenção dessas múltiplas manifestações tenha a mesma origem, já tenho dúvidas, talvez por detrás de reacções surgidas aqui e ali, por uma Juventude que se sentirá excluída, dizia eu, talvez já não sejam só eles, e como que aproveitando a “boleia” , estejam a surgir grupos semi-organizados, que pouco terão a haver com a situação inicial, que se vão envolvendo numa luta quase de guerrilha urbana , simplesmente pelo prazer de destruir.
Quando ao fim de 14 noites de violência explícita, depois de cerca de 10000 viaturas queimadas, edifícios destruídos, entre os quais escolas, creches, centros comerciais e empresas, começo a crer que muitos desses danos sejam causados para através deles não só destruir, mas também praticar o roubo de bens.
Quando há conhecimento do uso de armas numa violência desenfreada, onde há feridos de parte a parte, onde as proporções de tais actos se alargam já a outros países, será que a intenção dos diferentes grupos é a mesma? Será que as exigências são as mesmas? Ou o que podia parecer uma manifestação de Bairro já está para muito mais além que isso…
Ao ouvir o relato de um residente, quando o mesmo afirma, “Os manifestantes buscavam claramente nos causar o máximo dano”, pergunto: -Toda a situação e desagrado que envolve os manifestantes obriga a que haja tanta destruição? O ímpeto que leva a juventude a tais actos, não o consigo imaginar, mesmo que venham com isto, conquistar alguns benefícios, os quais possam passar por uma melhor aceitação e integração dos mesmos, mas nada no meu entender justificará tais actos e tais prejuízos.
È verdade que certas afirmações proferidas por representante do governo deitou “achas prá fogueira”, é verdade que algumas situações não deviam ter acontecido, mas no meio de tudo isto há algo que não bate muito certo. Há comunidades de emigrantes das mais variadas partes do Mundo, e quase sempre os intervenientes nestas situações passam pelos magrebinos, mulçumanos e outros de descendências tais.
E se por cada bairro, em cada grupo, de gente insatisfeita, se infiltrar um elemento de índole terrorista, externos à situação? Talvez seja isso que esteja a acontecer e, poucos ainda o tenham pensado. Trigo e joio misturado, deve tornar-se numa ração explosiva, e é isso que está a acontecer.
Bem, fico por aqui, talvez quem me lê, não partilhe da mesma opinião e eu me torne maçador, mas por enquanto, apesar da crise vivida no nosso “cantinho” ainda à “beira mar plantado” cá vamos andando sem grandes confusões.
(foto retirada da Net)

Um sorriso para Todos,
_____________________
Beijokas & Abraços / GW

2 comentários: